SOMOS TODOS “UNS INTOCÁVEIS”

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Longe de ser um noveleiro, mas vez ou outra não dá para não se recostar na poltrona da sala e assistir a um folhetim tupiniquim. Dias desses, parei em frente à TV para assistir a mais nova e chata atração escrita pela Glória Peres, a tal “Caminho das índias”. Confesso-lhes que das vezes que tentei assistir não consegui. A novela além de manjada tem diálogos sofríveis.

Todavia, dia desses parei e prestei atenção no diálogo entre o personagem de Márcio Garcia e outro cara. O mesmo inquiria o personagem de Garcia se já tinha contado para sua namorada que era um Dalintin (é assim que se escreve?). Segundo a tradição Hindu, esses cidadãos são os “sem casta”. Parei e pensei: - sou um desses!

A coisa de dois meses atrás assisti o “Quem Quer Ser Um Milionário”, filme que ganhou o Oscar de Melhor filme. Antes de tudo, tal premiação foi merecida. Diálogos interessantíssimos, os atores mirins dão um show de interpretação e as locações então... Parei nas locações! Mostram muito bem a disparidade social de um País que figura como “emergente”, mas que tem favelas que em comparação a Rosinha, faz com que as favelas brasileiras sejam verdadeiros palacetes.

Pelo que eu entendi da novela, os ditos impuros são discriminados, pois não tem “berço”. Já pensou se a moda pega aqui no Brasil? Eu seria uma Baruan da vida! Nesse país são poucos os de casta. Aliás, bote bem pouco nisso! (...). A realidade indiana não é muito diferente da brasileira.

Poucos são aqueles que possuem um padrão bom, grande maioria vive de subempregos, de bicos, de trabalhos com remuneração baixa. No filme, o protagonista participa de um jogo de perguntas e respostas e sagrasse vencedor. Porém, tem que provar aos policiais que não está trapaceando, e assim narra através de lembranças de sua vida como conseguiu responder certo.

No Brasil para mudar de vida, muito se arriscam participando do Show do Milhão e programas afins ou mesmo no nefasto programa global BBB (e a Record acabou de criar a versão genérica – Deus me livre e guarde de tamanha vandalização do tico-e-teco dos brasileiros).

Pelo pouco que assisti da atual novela das 20:00, o tal Baruan ainda infernizará muito a vida do tal do Raj e a gostosa da Maya (ah! Uma indiana daquela na minha cama...). E pelo que sei da realidade brasileira, é muito bom que não haja tradições esdrúxulas como a que é colocada na novela, seriam pouquíssimas castas existentes aqui. Mas não há como fugir da separação social, ainda mais porque o PT transformou a classe social brasileira em duas: os banqueiros e os que recebem o Bolsa Miséria.

Como vêm, por mais que os textos da Glória Perez não ajudem muito uma coisa é certa, a arte é mais parecida com a realidade do que agente pensa! Somos quase todos uns “intocáveis”. Arebaba de camelo...

Comments

7 Responses to “SOMOS TODOS “UNS INTOCÁVEIS””
Post a Comment | Postar comentários (Atom)

Mary West disse...

Um texto incrivel que revela mais do que a verdade. Apenas fingimos ser mais tolerantes.

23 de junho de 2009 05:47
Mikas disse...

É a lei da sobrevivência, do mais forte, de quem se desenrasca melhor, infelizmente

23 de junho de 2009 06:18

Eu assisto esta novela Dani. Acho alguns pontos importantissimos, o social é abordado de uma forma muito interessante, mexe com o raciocinio de muitos. Preconceito social existe e é uma porcaria. Somos todos preconceituosos. O intocável é o rosto de muitos cidadão de bem. Pré-conceito sobre Esquisofrenia, sobre cultura, classes dominantes...Sempre é falta de enxergar o que existe por trás e ignorar a verdade de um ser humano! Muitas vezes por que a maioria sempre é a maioria e ser minoria é péssimo (não para mim) é dar murro em ponta de faca, é querer gritar, mas muitos ignoram a sua linguagem meu caro. Seja rico ou seja pobre...O preconceito existe...

Bjoka lindo

23 de junho de 2009 07:12
Iara disse...

Meu querido Daniel:
Na verdade isso é da cultura deles, nao é uma questao social como no Brasil.

Alem do mais muita coisa ja mudou, por exemplo, Hoje em dia os dailitis podem fazer faculdade e estudar na mesma escola dos "ricos", n anovela nao mostra isso.

23 de junho de 2009 13:24
. fina flor . disse...

querido, até onde sei o sistema de castas na Índia é milenar e trata-se de algo religioso e não político, eles realmente acreditam que uns nasceram designados pelos deuses para x coisas e outros para y coisas, não tem muito a ver com berço ou baixa renda, mas sim com tradição [o que não deixa de ser ruim, claro].

eu, quando tenho tempo, assisto a novelinha, tô gostando, principalmente do núcleo que fala sobre psiquiatria, o Bruno tá dando um show e é bacana para quebrar paradigmas e esclarecer a população.

beijos, dear

MM.

24 de junho de 2009 13:24
Sonia Pallone disse...

Acho também que é mais uma questão religiosa do que política ou social. De qualquer forma não posso opinar muito pois não sigo a novela, vejo apenas alguns "flashs". Um beijão meu lindo, valeu te ver no Solidão.

24 de junho de 2009 17:27
Jairo Souza disse...

Pois é aqui a questão de castas é bem popular, e nada mais bem apostado q apostar em alguém da casta menor para os brasileiros se identificarem!
ahauhauhauhauahuaauh
abçs!

29 de junho de 2009 12:13