NÓS, OS RELES COMUNS...

quinta-feira, 25 de junho de 2009


“Incomum – adj. 2 gên. Que não é comum; extraordinário”. (Dicionário Brasileiro Globo. Editora Globo S.A. São Paulo – SP. 25ª Edição).

“Art. 5º C.F de 1988. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantido-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes”.

A reportagem central da veja expõe o que está descrito acima. Quando Lula mais uma vez estendeu a mão a um corrupto – neste caso o atual Presidente do Senado, José Sarney – ratificou a certeza de que nunca antes na história deste País, há a necessidade de uma mudança radical, não apenas na Lei eleitoral, mas como na mentalidade da sociedade brasileira atual.

Ao defender Sarney, Lula classificou os brasileiros em duas castas (vamos usar a linguagem da novela): os políticos – incomuns – e nós, reles mortais, contribuintes, que “nos viramos nos trinta”, sem privilégio algum, que na grande maioria anda de ônibus, rala para conseguir terminar um curso superior (ou mesmo o ensino fundamental), que estamos sujeitos a rigor da Lei, sem conchavos ou “saídas jurídicas dos melhores advogados que o dinheiro surrupiado do contribuinte podem ter”, os comuns.

Como bem destaca a reportagem da revista, Lula ao fazer essa declaração retrocede aos tempos das capitanias hereditárias, onde os mandatários eram aqueles escolhidos pelo Poder Central.

Mas o que quero abordar aqui não é exatamente essa declaração e a mais nova atenção que o Presidente dá aos corruptos deste País, mas sim, a responsabilidade dos sem castas, os comuns (os dalits tupiniquins). Aqui, político é tratado com toda a reverencia possível, ainda mais em tempos de eleição.

São dinheiro dado em “santinhos”, tijolos, madeira podre e a mais nova forma de compra em seu potencial máximo de escravização, o Bolsa Miséria (ops! Bolsa “Família”).

Leitor, responda-me com sinceridade: diga-me o nome do Deputado Estadual em que você votou na eleição passada? Qual era a sua plataforma política? Quais são os trabalhos desenvolvidos na Assembléia Legislativa? Você sabe o que é Voto Distrital? O que é coeficiente eleitoral?

Muitos amigos meus que acompanham meus blogs, me questionam o porquê da implicância com o BBB. O que respondo é que o BBB maníaco sabe pelo menos o nome de uns cinco participante de alguma edição, e se perguntar quem ele votou dificilmente irá saber.

O brasileiro é um analfabeto político, ou seja, não sabe e não quer do tema, prefere se abster do debate ou vem com aquele velho chavão, “político e política é tudo igual”. Errado! Essa mentalidade erronia deve ser varrida de nossa cabeça. Quando afirmo que precisamos ser mais cidadãos, patrióticos, ter mais responsabilidade sobre nosso país, quero alerta-los sobre a importância de seu voto. Somos nós que colocamos este povo no poder, e somos nós que podemos acabar com essa palhaçada toda.

Não é preciso saber Marx ou ser um cientista político, mas é nosso dever parar de analisar que saí e quem fica no BBB e prestar atenção à nossa volta. Perceber as péssimas condições de atendimento nos hospitais públicos, a insegurança pública, escolas de lata e a condição de ensino que é horrível, as favelas que cada vez nascem e crescem, enfim, vê como necessitamos de tudo e não temos quase nada! Qual é a nossa responsabilidade sobre tudo isso? (Marx afirma que há três formas de alienação, e uma que destaco aqui e é o caso do brasileiro, a alienação social. Segundo a teoria o cidadão se vê fora do sistema, ou seja, com se o sistema fosse um organismo vivo e que dele saísse todo o processo ao qual está inserido. Não se vê agente da mudança. Percebam se não é a mentalidade da maioria dos brasileiros).

Vejam no Irã, um País controlado por um sistema deturpado e sem direito quase algum sobre a liberdade individual; está de cabeça pra baixo, sob protestos fortes da população que exige novas eleições. Não digo que chegue a esse extremo, mas acredito que já passou da hora de irmos às ruas e protestar, afim de mudanças radicais nos atual modelo eleitoral e punições exemplares aos corruptos.

Lembrem-se, não há como fugir de sua responsabilidade política, afinal, viver por si só é um ato político, e aquela máxima que diz que “o povo tem os governantes que merecem” é mais que verdadeira!

Desde DESSE POST , que estou engajado na luta pelo VOTO NULO por achar que essa é a melhor forma de protesto, já que numa eleição se houver 50% + 1 de votos nulos faz com que o pleito seja cancelado e realizado novamente. Imagine se isso acontecesse?! Talvez seja utópico, mas prefiro acreditar nessa idéia (que me é mais palpável que o povo ir às ruas protestarem), mas vejo nela uma luz no fim do túnel.

De qualquer forma, o poder está em suas mãos! Se nos conscientizarmos que podemos mudar essa realidade com a força de nosso voto, podemos nos transformar em uma força maior que eles, reduzindo-os a reles comuns e sendo nós os incomuns! Está literalmente em suas mãos transformar essa realidade; e aí, o que irá fazer?

Comments

14 Responses to “NÓS, OS RELES COMUNS...”
Post a Comment | Postar comentários (Atom)

Daniel,

Não sei se lembro assim de bate pronto do nome de 5 participantes do último BBB. Foi tão chocho!!!

Em compensação, tenho certeza absoluta de que não sei o nome de 5 jogadores de fubetol. Graças a Deus!

rsrs

Beijos

25 de junho de 2009 16:15

Daniel,

"numa eleição se houver 50% + 1 de votos nulos faz com que o pleito seja cancelado e realizado novamente." E???

Você está supondo que na nova eleição haveriam outros candidatos e melhores? É isto?

Desculpe, mas não acredito. Cancela uma eleição e faz-se outra com candidatos iguais ou similares. E daí? O Brasil perdeu tempo e dinheiro para nada?

Até voto nulo, mas se houver algo melhor na frente e não vejo este algo melhor - por enquanto.

(Ps.: agora a curtição é A Fazenda. Já assistiu? Porreta!!! Tem cada barraco!)

Beijos

25 de junho de 2009 17:31

Vou ler com mais calma depois Dani....

25 de junho de 2009 18:10
Daniel disse...

NEIVA: Querida, se chegássemos a 50%+ 1 de votos nulos, significaria que por mais que os mesmos candidatos se candidatassem de novo, novamente haveria anulação de voto total. Teriámos que rever toda a legislação politica, e quem sabe poderiasse ter uma nova Constituinte. Quanto a tal da Fazenda, sem comentários! Bjus.

25 de junho de 2009 20:01
Bárbara Stracke disse...

não há o que contestar! Atutude meu povo! atitude!!!

bjz

26 de junho de 2009 08:38
neto disse...

Parabéns pelo excelente texto e pela opinião. Disse tudo o que eu queria dizer com todas as minhas palavras.

a maioria das pessoas no brasil tem direitos que nem sabem que tem. E por vezes, acham que tem 'direitos' onde não tem. O seu texto lança luz para que as pessoas se questionem e vejam onde estão errando nas decisões que tomam no seu dia a dia, e entre elas está uma das mais importantes: dizer quem vai definir os rumos do país.

Se mais e mais pessoas deixassem de ver novelas e programas como ess BBBs da vida que nada acrescenta em termos de conscientização e cultura não seriam tão prejudicadas em sua vida particular e social (mesmo que muitas venham a dizer que não são, eu sei que são) porque abriria sua mente para a realidade da vida. E, principalmente, das coisas que acontecem ao seu redor - e que elas não se dá conta de que acontece. No final, os oportunistas de plantão vivem disso. Desse tipo de gente.

Abraços

p.s. E o Lula cometeu a maior gafe de sua história. Será lembrado nos palanques da Dilma.

26 de junho de 2009 11:05
Edgar Borges disse...

O Lula fala sem pensar. Ou então é sonso. E o cara que vê o BBB nao consegue pensar. ou então não tem poder para pensar. ou algo assim
Abraços.

Edgar Borges
www.edgarb.blogspot.com

26 de junho de 2009 13:44
Paula disse...

caraca! q legal seu blog!! A-DO-REI! Voltarei mais vezes! adorei o trocadilho (contesta-ação) mto bom! bjoss

26 de junho de 2009 19:13
Philip Rangel disse...

Não defendo ele nem sonhando...prefiro q o Sarney como todos politicos explodam...

promessas sempre fazem...pq nao cumprem???

abraços

26 de junho de 2009 22:22
ZEPOVO disse...

Um patriota, cidadão politizado e defensor da democracia pregando o voto nulo?
Acha que consegue 50%?
Considera Sarney um cara comum?
-Não
-Não
-Não
É preciso perceber que Lula sabe governar e precisa "lidar" com o que tem à mão. O povo sabe perfeitamente que está bem liderado, escolheu bem e não é tolo como a oposição gostaria.
Vamos lá democratas fariseus, façam a revolução envergonhada que pretendem já que não aceitam as urnas democratas, querem anular os votos dos "intocáveis", não é mesmo?

27 de junho de 2009 17:51
☆ Sandra C. disse...

ai, não vou mentir.
eu sou uma analfabeta política.
porque houve uma época, isso na adolescência, em que eu achei que isso me seria útil. de entender um pouco do sistema político, de saber e ir atrás do que me é de direito. do que 'nos' é de direito.
mas no Brasil isso simplesmente não existe. somos um país com uma herança política triste, e os poucos políticos com boa vontade se embarreiram frente às pessoas de poder. porque tudo no Brasil se resolve NA FACA! ou tu faz o que riquinho pede, ou tu morre. não tem escolha.

os poucos que morreram por política são mártires, e suas histórias tampouco converteram outras pessoas. tem alguma saída para isso?

estou super aberta à discussão.

belo post, por sinal.

28 de junho de 2009 17:24
Jairo Souza disse...

POis é Daniel, se valoizássemos um pouco mais nossas atitudes, fossemos cada um um pouco mais enganjados mudariamos o sistema, mas será q o senso comum quer mudança?

29 de junho de 2009 11:37
Marcela' disse...

Sem muitas contestações hoje, Daniel. O que diz é mais uma vez, a realidade que eu concordo!
Esse povo precisa saber que tem poder, precisa de atitude..
Baci.

29 de junho de 2009 15:38
Lugirão disse...

Daniel, eu nem me surpreendo mais com as declarações infelizes do nosso presidente...

Quanto ao resto, tenho estado muito cansada desses politicos e da política no nosso país.

Excelente seu post.

Boa semana, Bjos.

29 de junho de 2009 16:52