O FIM DO IMPERADOR?

domingo, 12 de abril de 2009

Já bem diz o Skanq em uma de suas músicas, “quem não sonhou, em ser um jogador de futebol?”. O esporte-bretão é o mais amado, idolatrado, salve, salve, de todos! Tanto que somos reconhecidamente reconhecidos como, “a pátria das chuteiras”. Foi em nosso solo que nasceu o maior de todos os jogadores, fora uma gama de atletas que renderia folhas e mais folhas se fôssemos colocar aqui.

Assim como a Política, Megasenna e o BBB, o futebol é a forma mais rápida de ascender socialmente. É só lembrarmos que a coisa de dois meses, o Kaká, meio campo do Milan e da Seleção Brasileira ia sendo negociado pela mísera bagatela de 120 milhões de Euros! Outro exemplo é Ronaldo Fenômeno, que tem contrato vitalício com a Nike e possui uma fortuna estimada de mais de 80 milhões de Euros.

Grande parte dos jogadores é oriunda da classe pobre. Temos exemplo como o do próprio Ronaldo Nazário, vindo de Bento Ribeiro. Foi negociado com o Cruzeiro ainda moleque. Temos ainda Romário e Adriano. Bem, este ultimo, revelado pelas categorias de base do Flamengo foi o Internacional de Milan com 19 anos. Não demorou muito para “estourar” e virar “O Imperador da Itália”, e sendo um dos principais destaques daquela fatídica seleção brasileira de 2006.

Adriano surpreendeu a todos quando anunciou seu “recesso por tempo indeterminado”. Em entrevista coletiva, alegou não está mais feliz e motivado e pediu um tempo. Para muitos, é quase impossível tal cena, afinal essas pessoas ganham aquilo que qualquer outra pessoa adoraria ganhar e com um detalhe, trabalham se “divertindo”, fazendo aquilo que gostam. Mas antes de tentar entender isso, analisemos: são poucos neste país que ganham o que Romário, Adriano, Ronaldo e CIA LTDA ganham, pois no futebol, o sucesso é pra bem poucos! A realidade do futebol brasileiro é bem sem glamour... Em geral a folha de pagamento dos times médios e pequenos da primeira divisão chega a 02 milhões de reais mês. Já para os da segunda divisão, cai para (dependo do time, é claro!) 300 mil reais. Já a terceira, vai para 05 mil reais. O quantitativo maior de times está na segunda e terceira divisões, onde o gramado é péssimo, onde a badalação passa é longe!

Jozimar, lateral direito da seleção na copa do mundo de 1986 encerrou a carreira aqui em Roraima, jogando pelo Baré. Tive o prazer de conhecê-lo, e em muitas das conversas que tivemos o mesmo no relatou sua vida. Segundo ele, “é um mundo cheio de tentações e ilusões”. Amigos falsos, mulheres interesseiras (Marias chuteiras) e no caso dele, tudo isso regrado a bebedeira e drogas.

O caso de Jozimar reflete bem o caso do Adriano. De repente, dorme na favela e acorda em Milan! Deixa de andar de Buzão e passa a ir de BMW. Do churrasquinho de gato a uma das melhores gastronomias do mundo que é a Italiana. O mundo que dá um nó e tem que está preparado psicologicamente, coisas que poucos estão.

De certo que o império do Adriano começou a ruir com a morte de seu pai, some-se aí a derrota na Copa e o cenário está pronto! Esses atuais jogadores são levados daqui meninos e sem nenhum acompanhamento psicológico. Entram em um mundo que jamais imaginaram está “cheio de facilidades”, e o perigo mora aí.

O jornalismo esportivo volta e meia noticiava quando Adriano jogava no São Paulo, que o mesmo chegava aos treinamentos bêbado, e que deu muitas dores de cabeça aos dirigentes. Não vou me ater a isso, mas há de se verificar o papel da imprensa; alcoolismo é doença, e deve ser tratada como tal! Não se podia (e nem se pode) espinafrar o cara, mas sim, tentar abrir-lhe os olhos e fazê-lo entender que é um doente e que precisa de tratamento. Adriano é a prova viva que o velho deitado que diz “dinheiro na trás felicidade” está certíssimo.

Comments

10 Responses to “O FIM DO IMPERADOR?”
Post a Comment | Postar comentários (Atom)

Bárbara Stracke disse...

que posso eu contestar, se detesto futebol??? eu nunca fui fã de skank mesmo...rsrsrs

obrigada pela visita...

add vc!

bjz

13 de abril de 2009 08:27

Já liiiiiiiii....E reescrevoooo.

Muito bom garoto. Vai que vaaaaaaai....

Bjokas

13 de abril de 2009 10:12
Ynot Nosirrah disse...

Adriano é mais um fantoche criado pela mídia, do qual muitos hão de esperar muito, hão de exigir demais e se decepcionar com ele. Não é a primeira vez que isso acontece. Lamentável.

13 de abril de 2009 12:04
Ynot Nosirrah disse...

À próposito, obrigado pelas palavras que deixou em meu espaço.

13 de abril de 2009 12:05
Mary West disse...

Malandragem e futebol anda lado a lado no brasil. E o pior é que o povo acha isso lindo.

14 de abril de 2009 05:37
Sonia Pallone disse...

O Adriano, assim como muitos é apenas "produto do meio", concordo com vc, que a maioria deles não estão preparados pra essa ascensão. Hoje, o jogador é avaliado pelo que ganha e não pelo que joga, portanto ele não pode cometer deslizes, nem adoecer de qualquer doença como um cidadão normal. Beijo meu lindo.

http://www.solidaodealma2.blogspot.com

14 de abril de 2009 06:43
Leticia disse...

Admirei essa atitude dele.
É difícil dizer não a um meio q envolve tanto ...foi preciso coragem.

É a velha história ; pobre menino rico.
Bjks.

14 de abril de 2009 13:25
Philip Rangel disse...

a velha historia;...

me pagam mais que eu volto...kaopakpoa


affe


abraços

14 de abril de 2009 18:05
Neto disse...

O problema do Adriano é aquela história que todos já conhecem: Rico muito cedo... Com muito dinheiro muito novo... Não que isso seja ruim, não é, mas é ruim se a pessoa não tiver 'experiencia' para administrar tudo isto.

E não acredito que seja ainda o fim do jogador (talvez do nome 'Imperador Adriano' seja mesmo o fim), mas acredito que ele saberá dar a volta por cima e voltará a jogar novamente.

No entanto, voltará mais adulto. Mais pé no chão. Mais 'cabeça'.

Boa sua abordagem do assunto.

15 de abril de 2009 13:39
Casa de Colméia disse...

A cabeça desses meninos vira da noite pro dia.Eles passam a guir valores e exemplos que julgam corretos e acabam pelo caminho errado.Acredito na depre do Adriano...coitado...pudera também,né?

16 de abril de 2009 18:19